movies, movies, move_edição extraordinária: A Mulher Invsível

Ao som de: Evil Urges_Evil Urges_My Morning Jacket (porra, simplesmente não dá pra definir essa banda…ora country, meio folk, um pouco de indie, e um tanto de funkeado…vai entender…mas em essência, é bom…).

O amor é uma dessas coisas esquisitas quando paramos pra tentar entender. Ele é fantástico, mas é cheio de armadilhas complicadas de se perceber. E quando se percebe, geralmente é tarde demais.

Uma dessas armadilhas, eu costumo chamar de sindrome de Tolkien. Bom, sabe quando parece que tudo está a mil maravilhas, mas do nada a pessoa com quem você está começa a dar claros sinais de insatisfação. Isso ocorre, em essência, por que somente pra VOCÊ as coisas parecem felizes, alegres e contentes. Infelizmente algumas pessoas costumam criar em suas cabecinhas apaixonadas um mundo ideal onde os relacionamentes são perfeitos e as companheiras (os) não pedem pra você lavar louça, ou não te fazem esperar preocupado durante uma hora a mais do que o normal. Ou seja, você cria essa mundo perfeito, que começa a ruir a partir do momento em que, somente pra você aquilo faz sentido. As pessoas querem ser surpreendidas, querem discutir, querem que as coisas sejam simplesmente…normais, e não esse pequeno “condado” onde todos os hobbits vivem felizes suas vidinhas morando em tocas confortáveis.

Seguindo esse argumento, chegamos a história de Pedro (Selton Melo). Pedro é um sujeito apaixonado e dedicado a Marina (Maria Luisa Mendonça), sua atual namorada. O problema é que nosse herói, coitado, sofre dessa terrível sindrome de Tolkien. E é ai que seus problemas começam.

Abandonado pela namorada,  Pedro entra em depressão profunda, por ter dedicado X anos de sua vida a uma mulher que o trocou por uma aventura germânica. E quando você força muito essa máquina cheia de defeitos que é sua mente, os resultados podem ser catastróficos.

Eis que surge na vida de pedro a fabulosa Amanda (Luana Piovani). Linda, inteligente, charmosa e ainda comenta a rodada da terceira divisão do brasileirão como se fosse seu melhor amigo de boteco. Seria a mulher perfeita, se ela não tivesse um único problema: Amanda só existe na cabeça de Pedro.

Isso causa uma série de presepadas na vida do personagem, o que leva a ótimas cenas de humor, principalmente pela atuação sempre “hilariamente” convincente de Selton Mello ( a cena do cinema, com participação de Marcelo Adnet e Gregório Duvivier, dos “Buchas” é hilária). Luana Piovani…bom, essa é um caso a parte: ela continua sendo minha sex symbol da época da malhação, mas sua atuação não é algo lá muito convincente. Mas ver aquela semi-deusa em trajes mínimos me faz pensar que foi uma ótima escolha para o papel da mulher imaginária de Selton Mello.

Enfim…mesmo terminando com uma mensagem de auto ajuda do tipo “você tem o poder de mudar sua vida, acredite na força, Luke” o filme leva a pensar em como, no fim das contas, levamos em frente nossas relações com outras pessoas. Algumas vezes achamos que o ultimo namoro foi o lance de nossas vidas, que depois dela(e) nunca encontraremos a pessoa perfeita, aquela que melhor se encaixa em seu braço, na cama, ao dormir. Tá, as vezes você custa a esquecer aquela pessoa tão amada, ainda mais quando você sabe que fez besteira.

No entanto, esse auto-suplício só gera uma consequencia: ele corta praticamente todas as oportunidades de conhecer alguem que também goste de Fringe, como você. Nunca sabemos como está a cerveja no próximo boteco. As vezes ela é melhor que a skol quente desse bar de fim de noite, que é o sofrer por outra pessoa.

Por isso, fica o convite: quem quiser saber como é o próximo bar, to indo nessa.

Ah, sobre o filme. Nada de demais, no fim das contas. Uma ótima diversão, com direito a um Selton Mello inspirado. O filme, no fim, se perde no clichê das comédias romanticas pasteurizadas, com aquela velha lição de moral. Mas quem nunca se emocionou ao perceber que essas comédias romanticas são mais parecidas com nossas vidas do que imaginávamos? Então, deixe essa vergonha de lado, e vá dar risada com o clichê que é o amor.

Lucas Bonachovski…agora, tentando aprender a esperar com uma certa esperança idiota, o que está por vir além da próxima curva.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: