Archive for the ‘Braseirices’ Category

10 Melhores discos pra ficar feliz com a tristeza alheia – por Leonardo Brasas

Por Leonardo Braseiro

Ao som de: Aceito seu coração_Roberto Carlos_1969

Essa lista só não é mais triste que o Sad Keanu...abudeusi, dá vontade de dar um abraço nele...

Particularmente falando, sinto um paradoxo muito excêntrico quando fico sabendo de notícias sobre tragédias naturais apocalípticas, ataques suicidas de terrorismo, assassinos seriais absurdamente psicóticos e toda desgraça em geral: Ao mesmo tempo em que sinto uma extrema alteridade e empatia pelos mortos e sobreviventes sinto também uma enorme alegria por esta merda toda não ter acontecido comigo.É aquele clássico sentimento do: “Ainda bem que não foi comigo”;sentimento este que acaba sendo bom, pois o faz repensar o caminho, aproveitar as pequenas coisas e principalmente valorizar a vida.Olhando por este prisma notei que musicalmente falando adoro discos, músicas e artistas tristes, deprimidos e suicidas.Pelo simples fato de que a desgraça alheia me faz feliz por não ser eu o desgraçado em questão, mas diretamente falando é porque: música  triste me deixa feliz!

Baseando-se neste preceito egoísta-humanitário (eu realmente deveria me alistar na Cruz Vermelha ou na Juventude Hitlerista…dúvida cruel) elaborei esta lista dos 10 melhores discos pra ficar feliz com a desgraça/tristeza alheia.E parafraseando Woody Allen:

“A vida é uma merda, mas passa rápido demais.”

Continue lendo

Anúncios

Crônicas sobre o fim de festa

Por Braseiro, o Incansável

Ao som de:  Frank Sinatra_Cake_Fashion Nugget

16may27-bad-good-excellent

É no fim de festa que as coisas realmente acontecem.Num fim de festa voce pode tanto descolar uma ótima transa ou dançar aquela música do Justice que só toca naquele horário.Você pode vomitar espalhafatosamente ou se envolver numa briga sem saber e sem querer.De acordo com a lenda é no fim do arco íris que está o pote de ouro;e é no fim que todas as histórias da carochinha se tornam felizes para sempre.

De acordo com o filósofo alemão Arthur Schopenhauer,somos escravos de nossos desejos. Mal satisfazemos um e outro surge, de modo que vivemos permanentemente insatisfeitos. Além disso, o mundo está repleto de injustiça e violência. A existência é, assim, uma fonte de sofrimentos.E o fim de festa está relacionado com tudo isso:sofrimento,melancolia,violência,decadência e insatisfação.Porque de acordo com o imaginário coletivo quem é feliz já foi embora mais cedo, pois encontrou o que estava procurando; e quem ainda permanece na festa ou está esperando confusão ou ainda quer satisfação(ou também porque está muito louco de ácido ou ecstasy,mas isso é outro departamento..hehe).O ponto em questão aqui é que o fim de festa tanto pode ser decadente como tambèm uma fonte    de prazer e deslumbre,mas inutilmente passageiro é óbvio;assim como o orgasmo e o sorriso dos que foram embora mais cedo.

23:00
_Nossa,esta festa parece que vai bombar hein,quanta mulher aqui maluco.

_Pode crer, mano acho que hoje a gente vai se dar bem!

-Uhuuuuuuuuuu!

Obviamente que o desejo de felicidade será duramente substituido assim que for realizado.Convenhamos também que nossos heróis do diálogo acima são um tanto panacas e qualquer mulher,bebida ou música que os satisfaça não irá durar mais do que 5 minutos.O que não percebemos é que por mais pessimistas e estóicos que sejamos nosso destino será tão diferente senão pior do que o deles.Não deposito tanta esperança nas coisas pois elas acabam acabando…sempre.Diante de tudo isso,fique até o fim da festa,vomite,cante aquela sua música preferida a plenos pulmões,beije um(a) desconhecido(a),xingue o Dj arranhe o assoalho pois no fim das contas todos estaremos insatisfeitos no dia seguinte;ou pelo menos na semana seguinte ou mês seguinte.è impossível ser feliz para sempre.

-Porra cara,já são 05:30,vamos nessa.

-Que se fooooda,o sol ainda nem nasceu e meu copo ainda está cheio,o que você vai fazer em casa?Ver Globo Ciencia e comer pão com manteiga e leite com toddy?Tá de sacanagem né?

É amigos,olhando por este  prisma a festa nunca termina.